Cultural representations of Angola and Mozambique in colonial narratives

Authors

DOI:

https://doi.org/10.52152/heranca.v6i2.716

Keywords:

Portugal, Colonial Empire, Representations, Mozambique, Angola, Twentieth Century

Abstract

The term «colonial» uncovers ghosts related to readings related to memories, feelings of guilt and still uncomfortable hurts. The colonial narratives are above all a praise to the «mission» and to the colonizing action, as well as to the people of the metropolis and the colonial territory, in a perspective of a «natural» white superiority. This article aims to map cultural prejudices of the colonial past through the analysis of fictional narratives from Angola and Mozambique, dating from the twenties to the sixties, which allow a more detailed understanding of the thought and representation of the Portuguese colonial world of the twentieth century.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Susana Pimenta, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; CECS-UMinho; Instituto Politécnico de Bragança

Susana Pimenta é doutorada em Ciências da Cultura, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. É autora de Dinâmicas coloniais e pós-coloniais. Os casos de Reis Ventura, Guilhermina de Azeredo e Castro Soromenho (2018) e co-editora de Camilo: o homem, o génio e o tempo (2017), Camilo: o homem, o génio e o tempo II (2018), Portugal na (e no tempo da) Grande Guerra (2018) e O mundo colonial português: representações, memórias e heranças (2023). Atualmente leciona na área das ciências da cultura na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e na área das culturas lusófonas no Instituto Politécnico de Bragança. É membro integrado do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS), da Universidade do Minho. A pesquisa centra-se nas áreas dos estudos de cultura e dos estudos pós-coloniais, em particular em torno das representações culturais e da memória cultural.

 

Orquídea Ribeiro, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Doutora em Ciências Humanas e Sociais – Cultura, é professora associada com agregação (em Ciências da Cultura) na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Tem publicado na área das Ciências da Cultura/Estudos Culturais, nomeadamente na área das culturas pós-coloniais de língua portuguesa e de estudos afro-americanos. Integra as direções dos cursos de Doutoramento e de Mestrado em Ciências da Cultura da UTAD. Interesses de investigação: Ciências da Cultura [Culturas Africanas de Língua Portuguesa; Culturas Africanas Comparadas (com língua inglesa); Estudos Coloniais; Estudos Pós-Coloniais; Urban Studies;]; Património Cultural [Digital]; Cidades Criativas. É membro integrado doCentro de Estudos em Comunicação e Sociedade, da Universidade do Minho.

Fernando Moreira, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Doutor em Cultura Portuguesa, orienta as suas pesquisas no âmbito das Ciências da Cultura, sendo diretor do doutoramento e vice-diretor do mestrado em Ciências da Cultura da UTAD. Autor e editor de vários livros, tem apresentado comunicações em eventos científicos nacionais e internacionais e publicado artigos em revistas portuguesas e estrangeiras a par da orientação de teses de
doutoramento e mestrado. Investigador do CECS, (UMinho, linha de investigação Estudos Culturais), é professor catedrático de Cultura Portuguesa na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. É também colaborador no Centro de Estudos em Letras (UTAD).

References

Alexandre, V. (2017). Contra o vento. Portugal, o império e a maré anticolonial (1945-1960). Círculo de Leitores.

Azambuja, M. da G. (1952). A primeira viagem. Parceria António Maria Pereira.

Azeredo, G. de (1956). Brancos e Negros. Agência Geral do Ultramar.

Bender, G. J. (2004). Angola sob o domínio português. Mito e realidade. Editorial Nzila.

Cadavez, C. (2017). A bem da Nação. As representações turísticas no Estado Novo entre 1933 e 1940. Edições 70.

Castelo, C. (2011). «O modo português de estar no mundo»: o luso-tropicalismo e a ideologia portuguesa (1933-1961). Edições Afrontamento.

Cosmos (Eds.). Cadernos Coloniais. Col. 1935-1941. http://memoria-africa.ua.pt/Library/CadernosColoniais.aspx

Cruz, E. C. V. (2005). O Estatuto do Indigenato – Angola. A legalização da discriminação na colonização portuguesa. Novo Imbondeiro.

Decreto n.º 21.001, de 14 de março de 1932, I, artigo 1º. Diário do Govêrno. https://files.dre.pt/1s/1932/03/06200/04630469.pdf

Decreto–Lei nº 39666, de 20 de maio de 1954. Estatuto do Indigenato. https://dre.pt/application/conteudo/635399

Decreto-Lei nº22: 465, de 11 de abril 1933. Acto Colonial. https://www.parlamento.pt/Parlamento/Documents/acto_colonial.pdf.

Faria e Maia, C. R. M. (1929). Recordações de África: Verídicas Narrativas de Viagens, Caçadas, Combates e Costumes Indígenas, Marchas pelo Interior e Navegação dos Rios. Tipografia e Papelaria Carmona.

Ferreira, M. (1977). Literaturas africanas de expressão portuguesa. Instituto de Cultura Portuguesa, 6 Vol..

Garcia, J. L. L. (2016). A Agência Geral das Colónias/Ultramar e a propaganda no Estado Novo (1932-1974). In A. Pena-Rodríguez e H. Paulo (Eds), A Cultura do poder. A propaganda nos Estados Autoritários (pp. 345-366). Imprensa da Universidade de Coimbra.

Jerónimo, M. B. (2010). Livros Brancos, Almas Negras: A «Missão Civilizadora» do Colonialismo Português (c. 1870-1930). Imprensa de Ciências Sociais.

Laranjeira, P. (1998). A literatura colonial portuguesa. África, 20-21, 71-93. https://doi.org/10.11606/issn.2526-303X.v0i20-21p71-93

Leal, F. P. C. (1962). A Pátria em Perigo. Edição do autor.

Léonard, Y. (2000). O império colonial salazarista. In F. Bethencourt e K. Chaudhuri (dir.), História da Expansão Portuguesa, Volume 5: Último Império e Recentramento (1930-1998) (pp. 10-30). Círculo de Leitores, Temas & Debates.

Marnoco e Sousa, A. J. F. (1906). Administração Colonial. Typographia França Amado.

Matos, P. F. de (2012). As Côres do Império colonial. Representações raciais no império colonial português. Instituto de Ciências Sociais.

Melo, D. (2001). Salazarismo e a cultura popular (1933-1958). Instituto de Ciências Sociais.

Meneses, M. P. G (2010). O “indígena” africano e o colono “europeu”: a construção da diferença por processos legais. E-cadernos CES. https://doi.org/10.4000/eces.403

Noa, F. (2002). Império, mito e miopia. Moçambique como invenção literária. Coleção Estudos Africanos, Caminho.

Quintinha, J. (1929). Oiro Africano. Editora Portugal Ultramar, Lda.

Rosas, Á. (1935). Terras Negras. Empresa Industrial Gráfica do Porto, Lda.

Vargaftig, N. (2016). Des empires en carton. Les expositions coloniales au Portugal et en Italie (1918-1940). Casa de Velázquez.

Wheeler, D. L. e Pélissier, R. (2011). História de Angola. Tinta-da-China, 2011.

Published

2023-05-13

How to Cite

Pimenta, S., Ribeiro, O., & Moreira, F. (2023). Cultural representations of Angola and Mozambique in colonial narratives. Herança, 6(2), 234–244. https://doi.org/10.52152/heranca.v6i2.716